Tuesday, February 12, 2008

Lágrimas da Alma

Palavras breves, feitas só de nada,
Arrancadas deste meu coração,
Serão meu juramento à escuridão,
Lágrimas da minha alma destroçada.

A minha essência não será quebrada
Nem mesmo pelo fogo da traição.
Não voltarei a dar minha alma em vão.
Nunca mais me verão sofrer calada.

Palavras de lamento e de amargura
Contarão à sombra da noite escura
Os sinistros desígnios do meu ser.

No vento voarão meus negros versos,
Memórias dos pensamentos dispersos
De alma fraca que aprendeu a viver…

6 comments:

Oliver Pickwick said...

O duro aprendizado sob a égide do sofrimento. Entretanto, aquele que nos faz mais fortes e preparados, como bem escreveste nesta poesia.
Vida longa aos góticos.
Beijos, prezada amiga!

O Profeta said...

No vento voa uma sublime criatura...uma Avatara...tu...!

Os meus sonhos emprestaram-te asas
A minha indomável vontade o encanto
Coroei-te com diadema de espuma
Nos umbrais do infinito pensamento

Uma torrente de emoções aguarda-te esta semana

Mágico beijo

Fátima said...

Amiga,

No vento voará concerteza, pensamentos dispersos de alma que apreu a viver. Muito Bom!

:- Beijos

Betty Branco Martins said...

____________querida Raven


____tudo o que a vida





nos dá



é




para_______aprendermos




a





sentir




sentir______outra vez


e





sentir.uma.outra.vez____...






_____________adorei ler-te








beijO c/ carinhO

Oliver Pickwick said...

Quote the [Silent] Raven: "alma fraca? Nevermore!"
Vida longa aos góticos!
Um beijo e tenha uma ótima semana!

Alice said...

Lindo, como tudo o que se aprende na vida.
bjussss