Monday, March 10, 2008

Herança de Saudade

Legado de silêncio e liberdade,
Memória de um futuro que passou,
Somos, talvez, herança de saudade,
Recordação de um sonho que acabou.

Fantasmas de uma vida que quebrou
Ante a profanação da lealdade,
Somos uma ilusão que terminou,
Inocência vendida à iniquidade.

Vozes de um tempo ao nada condenado,
Somos apenas sombras de um passado
Que se perdeu na noite sem lugar.

Ilusões mortas, sonhos destruídos…
A vida deu-nos a voz dos caídos.
A morte não deixou de nos amar.

5 comments:

Cristina said...

adorei o seu blog e os seus poemas. força .Tá muito bom continue.
Beijinho

Alice said...

Bom , muuuuuito bommmm ... lindo mesmo !!
"Vozes de um tempo ao nada condenado" .... adorei isso !
bjkas pra vc

O Profeta said...

O Sol abandonou o céu
A Lua ironiza no celeste
Soltas perversas vontades
Cruzam a tua vida agreste


Convido-te a partilhar a minha visão da forma em
como a vida às vezes é perversa para algumas mulheres…

Bom domingo

Doce beijo

DRACULEA Café Bar - The Devil's Den said...

Não desfazendo no resto do poema... os dois últimos versos são geniais!

Leto of the Crows said...

Gostei especialmente das duas últimas estrofes.
E é óptimo o facto das rimas nada terem de forçado.

Está lindíssimo, os meus parabéns ^^