Monday, March 10, 2008

Herança de Saudade

Legado de silêncio e liberdade,
Memória de um futuro que passou,
Somos, talvez, herança de saudade,
Recordação de um sonho que acabou.

Fantasmas de uma vida que quebrou
Ante a profanação da lealdade,
Somos uma ilusão que terminou,
Inocência vendida à iniquidade.

Vozes de um tempo ao nada condenado,
Somos apenas sombras de um passado
Que se perdeu na noite sem lugar.

Ilusões mortas, sonhos destruídos…
A vida deu-nos a voz dos caídos.
A morte não deixou de nos amar.

5 comments:

Cristina said...

adorei o seu blog e os seus poemas. força .Tá muito bom continue.
Beijinho

Alice said...

Bom , muuuuuito bommmm ... lindo mesmo !!
"Vozes de um tempo ao nada condenado" .... adorei isso !
bjkas pra vc

O Profeta said...

O Sol abandonou o céu
A Lua ironiza no celeste
Soltas perversas vontades
Cruzam a tua vida agreste


Convido-te a partilhar a minha visão da forma em
como a vida às vezes é perversa para algumas mulheres…

Bom domingo

Doce beijo

Anonymous said...

Não desfazendo no resto do poema... os dois últimos versos são geniais!

Leto of the Crows said...

Gostei especialmente das duas últimas estrofes.
E é óptimo o facto das rimas nada terem de forçado.

Está lindíssimo, os meus parabéns ^^